Discurso | Abertura do ano letivo da Fiocruz 2018

 

O evento aconteceu no dia 8 de março, às 9h, no Auditório do Museu da Vida. Teve como tema Olhares femininos no cárcere. Abaixo o discurso proferido pela APG Fiocruz RJ na ocasião:

Neste dia tão importante,  ao lado de importantes pesquisadoras e da primeira mulher presidente da Fundação Oswaldo Cruz, nós, estudantes desta instituição nos comprometemos que a cada 08 de março seguiremos ainda mais fortes. E, reafirmamos, qualquer forma de opressão não será aceita. O processo formativo é lugar da diversidade, da superação das desigualdades e aprendemos na prática nos últimos anos que é lugar de inclusão. A inclusão só será possível na medida em que compreendermos que o acesso a espaços historicamente elitizados só é possível com medidas que recuperem e reconheçam tais processos de exclusão.

Nós que já estamos em nossas atividades de pesquisa e ensino, hoje, formalmente acolhemos novos elos neste coletivo. Aproveitamos para convidar os estudantes  que chegam a preencherem a PESQUISA SOBRE PERFIL DO DISCENTE que vem sendo conduzida pela Associação de Pós Graduandos com o apoio das secretarias acadêmicas, no processo de divulgação. É fundamental para que avancemos cada vez mais em mecanismos institucionais de assistência, proteção e direitos dos estudantes. Aproveito para anunciar que em breve a Associação iniciará seu pleito eleitoral, portanto convidamos os estudantes a participarem do pleito articulando chapas e debatendo o futuro da pós graduação na Fiocruz, este é um espaço formativo importante do qual não podemos fugir em tempos de ataques a direitos sociais, à ciência e às instituições públicas.

Por fim, reconhecendo a importância da pesquisa a ser aqui apresentada e parabenizando aqueles envolvidos, esperamos que o debate leve a reflexões positivas em direção ao comprometimento de nossas pesquisas com a superação das desigualdades e com o SUS. O cárcere no Brasil é ocupado por pobres, em sua maioria negros, não é dado banal ou aleatório. As mulheres que estão nestes espaços tem seus direitos sistematicamente negados. Nós, classe média, privilegiados, seguimos muito confortáveis em nossos lares. A intervenção militar não nos afeta. A prisão não nos ameaça. Somente uma academia formada por pesquisadores de origens sociais diferentes poderá redirecionar nosso olhar.

Motivo de orgulho por ter influenciado a recente decisão do STF de conceder prisão domiciliar às mulheres presas preventivamente que estão grávidas ou que sejam mães de crianças de até 12 anos, essa pesquisa nos motiva a seguir em frente. Nossas pesquisas, seja na bancada ou não, tem papel fundamental para garantir que as populações mais pobres tenham acesso a tratamentos eficazes, assim como garantir que atores historicamente excluídos tenham suas condições de vida melhoradas.

É preciso que nós estudantes ocupemos esses espaços para que possamos levar adiante tais comprometimentos. 

Foto: Peter Ilicciev

Confira a notícia publicada no Campus Virtual Fiocruz: https://campusvirtual.fiocruz.br/portal/?q=content/mulheres-que-se-constroem-ao-olharem-outras-aula-inaugural-da-fiocruz-retrata-o

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s